Curta: Bicho do mato

Cinema #dubrasil

em 19 de novembro de 2020

Juliana Sanson é roteirista, diretora e produtora audiovisual. Dirigiu e roteirizou os curtas de ficção “Fabulário Geral de um Delírio Curitibano” (2007), “Coração Magoado” (2012) e “Prato do Dia” (2014), o piloto de série documental para TV “Fronteiras/Guaíra” (2019), e o longa metragem “Uma Morte Qualquer” (2019). Em 2018 dirigiu os curtas ficcionais “Bicho doMato” e “Julieta de Bicicleta”. Também é diretora de videoclipes de artistas como Leo Fressato, Estrela Leminski e Téo Ruiz, Dalvinha Brandão, Michelle Pucci e Grupo FATO. Como educadora, Juliana atua na autoria de livros e no desenvolvimento de projetos multimídias e produções audiovisuais do ensino fundamental ao médio. 

Curta: Bicho do mato, 2018

Sinopse

Jussara e sua família perdem tudo o que tinham quando suas terras são atingidas por chuvas intensas e violentas. Sem terem onde viver, eles deixam o campo para morar na cidade grande, uma mudança que trará muitas dificuldades para todos, em especial para Jussara que precisará se adaptar a um mundo diferente do que ela conhecia. 

Ficha técnica

Direção: Juliana Sanson 

Argumento: Sonia de Oliveira 

Roteiro: Sonia de Oliveira e William Biagioli 

Produção: William Bagioli 

Produção Executiva: Chris Spode e Maria Luiza Khouri 

Diretor de Fotografia: João Castello Branco 

Assistente de Direção: Eugenia Castello 

Produção:Fran CamiloAna Catarina LugariniFernanda Stancik 

Produção de Locação: Bruno Costa 

Direção de Arte: Aricia Machado 

Assistência de Arte e Produção de Objetos: Bea Gerolin 

Estagiário de Arte: Igor Urban 

Contra-Regra: Diego Zamprogna 

Produção de Elenco: Raquel Neves 

Assistência de produção elenco: Arnon Nogueira 

Figurino: Isbella Fonseca 

Assistência de Figurino: Maria Beatriz Leal Roorda 

Maquiagem e Cabelo: Andrea Tristão 

Colorista: João Castello Branco 

1o. Assistente de Câmera: Elisa Ratts 

Logger: Guilherme Delamuta 

Eletricista: Magnus Lobo 

Maquinista: Sandro Lobo 

Som Direto: Lucas Maffini 

Desenho de Som: Luiz Lepchak 

Projeto Gráfico: Pedro Giongo 

Assistência de Montagem: Renan Turci 

Making Of e Still: Ana Paula Málaga e Thalita Zukeram 

Consultoria no Roteiro: Luigi De Franceschi 

Motoristas: Eduardo Benik e Adriano Fronza 

Montagem: Ligia Teixeira 

Elenco: Julia Sanson (Jussara); Richard Rebelo (Osvaldo); Marcelina Fialho (Lucinda); Andressa Medeiros (Darlene); Cássia Damasceno (Prof. Solange); Gerson Delliano (Odair); Marcilene Moraes (Inspetora);  Amarildo Martins (Recepcionista) 

LABO A opressão que existe na cidade grande, aparece em várias camadas no filme Bicho do Mato: não aceitar as diferenças, a falta do verde, os prédios não pensados para uma vida digna, a falta de oportunidades, etc. O curta apresenta tudo isso de um jeito leve, que só percebe quem está com o olhar atento. Como foi feita essa construção crítica tendo em vista que é um filme para crianças? 

Juliana Eu acompanhei de perto o trabalho de Sonia e William na escrita do roteiro do filme. Lembro que sempre foi uma preocupação grande fugir dos estereótipos que giram em torno das pessoas que mudam do interior para a capital, bem como sobre as situações que elas vivenciam durante a adaptação. Esse trabalho foi bem importante para substituir o óbvio pelo sutil, trocando palavras por olhares, deixando apenas o essencial. Como diretora também procurei caminhos mais delicados e menos explícitos para comunicar sentimentos e criar empatia com as personagens do filme. As crianças entendem bem isso, pois são muito mais perceptivas que os adultos, estão vivenciando novas experiências e, por isso, se colocam com mais facilidade no lugar dos outros. Durante a produção sempre tivemos em mente que estávamos fazendo um filme com crianças, mas que não necessariamente seria um filme só para crianças. Não queríamos cair em algumas armadilhas que algumas produções caem, oferecendo tudo mastigado, subestimando a capacidade do público em interpretar sutilezas. Acho que, por isso, o filme agradou tanto às crianças e recebeu vários prêmios do júri infantil, pois ele não pretende simplificar a realidade. 

LABO “Vivo aborrecida aqui nessa cidade apertada, nem a lua dá pra gente ver as veis. Sinto saudade dos meus amigos, eles se perderam na água do rio e eu, meu pai e minha mãe, se perdemo aqui na cidade”. Pra mim, aqui, é a cereja do bolo do Bicho do Mato. Fala pra gente como “nasceu” essa fala.  

Juliana A redação de Jussara estava presente desde os primeiros tratamentos do roteiro e foi escrita pela Sonia Oliveira, a roteirista do filme. Quando já tínhamos selecionado a Julia para o papel, lancei a ideia dela reescrever a redação com suas próprias palavras. Minha intenção era que a Julia fosse se apropriando daquele discurso e que incluísse suas próprias palavras para que fosse natural e confortável dar aquele texto. Ela escreveu a redação e, a partir daí, a redação da Jussara foi reescrita pelos roteiristas. O texto final da redação de Jussara é um bom exemplo de como roteiro, direção e atuação podem trabalhar em consonância. 

LABO E aí, o que tu nos diz sobre o mercado cinematográfico para as mulheres diretoras? 

Juliana Acho que estamos em uma curva ascendente de oportunidades, um caminho que só será ampliado e aprofundado daqui pra frente. Temos mais editais e estímulos para diretoras, nossas narrativas ganham novos contornos, nosso olhar está sendo mais apreciado e compreendido, estamos mudando a maneira de representação da mulher no cinema, levantando temas e discussões que nos interessam e conseguindo exercitar nossos talentos e o nosso modo de fazer cinema. A nossa presença também vem mudando o funcionamento dos sets de filmagem, abrindo espaços para discussões sobre machismo e coibindo episódios de assédios e abusos.  

Mas sinto que ainda podemos e devemos avançar muito em áreas mais estratégicas da indústria audiovisual, nas camadas em que as grandes decisões são tomadas. Ainda temos um longo caminho para fazer com que o acesso aos recursos financeiros seja mais igualitário e que as mulheres sejam remuneradas de forma justa pelo trabalho que realizam. 

LABO Plural Singular + Cardume

A LABO Plural Singular e a plataforma Cardume que, entre muitas outras coisas, têm em comum a missão de fortalecer a produção cultural no Brasil, estão virtualmente de mãos dadas para toda semana apresentar um curta-metragem nacional e uma nano entrevista com sua / seu respectiv@ diretora / diretor. Assim como dar nome a todas as pessoas envolvidas na produção cinematográfica brazuca, porque nem só de direção e elenco é feito um bom filme. Preparem o estoque de pipoca que informação e diversão são por nossa conta.

Você também vai gostar disso 👇