Por dentro da Farol #7

Música #dubrasil

em 12 de março de 2021

Confinamento: o meu, o seu, o do BBB e dos gatos de apartamento

O Big Brother Brasil deste ano, segue quebrando recordes de audiência e tem sido um dos assuntos mais comentados nas redes sociais. O país acompanha atento as intrigas, polêmicas e debates, que trazem à tona temas importantes do cotidiano atual, como a política do cancelamento, a militância, o racismo e até (pasmem!) tortura psicológica.   

Mas as reflexões que a edição de sucesso promove, vão além do que acontece dentro da “casa mais vigiada do Brasil”. Aqui de fora, depois de um ano de pandemia de Covid-19, enxergamos com outros olhos o confinamento dos participantes. Aquela sensação de que seria impossível ficar trancado em uma casa por três meses, foi desaparecendo a medida em que todos nós, de certa forma, nos vimos enclausurados. Assistir aos participantes na piscina, sem máscara, sem medo, curtindo festas e despreocupados – não só com a doença que assola o mundo, mas também com os boletos que não param de chegar mesmo quando o salário atrasa, ou com a ida ao supermercado que te coloca em risco – de certo modo, causa uma sensação de respiro (um alívio cômico, dentro da nossa cruel realidade?). É como se tivéssemos nos tornados voyeurs da liberdade deles, enquanto somos nós os confinados. É quase uma inversão de paradigmas: o “mundo lá fora” se tornou o mundo lá dentro.  

Fiquei seis meses completos sem colocar o pé para fora em 2020 e em alguns momentos me esqueci de que existia algo além da minha casa. Sim, a gente se acostuma com tudo, até com o confinamento. O que me leva a pensar nos gatos em apartamentos, que diferente dos cachorros, no geral, não saem para passear. Foram limitados a um único espaço por tempo indeterminado. Como será que eles se sentem? Acostumados ou em um zoológico particular?   

Sem a pretensão de responder a essa pergunta, a banda Os Roucos lançou recentemente o single “Cat In The Window”, inspirado na gata da atriz Fernanda Sanches, que assina a composição ao lado do vocalista e guitarrista Noel Rouco. 

A música foi feita durante a quarentena, observando um gato que mora em um apartamento de uma rua movimentada no centro de São Paulo. A janela é grande e ele passa a maior parte do dia nela, olhando o movimento lá embaixo e tentando interagir com os raros passarinhos que aparecem do lado de fora da tela de proteção. É um barulho infernal de cidade grande, carro e ônibus o dia inteiro, britadeiras, prédios sendo construídos, à noite não melhora muito. A faixa teve como inspiração esse cenário: A janela, o gato e os ruídos do centro de São Paulo”, explica Noel. “Ela reflete um pouco sobre o que significa morar na cidade grande e como vamos nos adaptando, tanto nós humanos quanto os nossos fiéis companheiros. Em determinado ponto da música, o gato assume o protagonismo na narrativa da canção, com alguns questionamentos sobre o fato de estar ali confinado, entediado, acho que foi um ponto de convergência com o qual nos deparamos por diversas vezes no último ano”, completa. 

Ilustração por Fernando Dalvi

“Cat In The Window”, da banda formada em 2020 por Noel Rouco, Rodrigo Luminatti e Guto Gonzalez, contribui para uma das reflexões possíveis de serem colocadas em pauta neste momento difícil e atípico pelo qual estamos passando. Que possamos voltar a circular livremente em breve, como BBBs eliminados e gatos sem donos.  

Texto por Paola Zambianchi, jornalista com mestrado em Artes Visuais e apaixonada por música. Durante muito tempo deixou as áreas divididas: trabalhava com música, estudava artes e guardava a escrita para reflexões de si mesma. Foi com a assessoria de imprensa que resolveu misturar tudo. Hoje, à frente da Farol Music, divulga a música independente, suas ideias, sonoridades e artes gráficas.

Você também vai gostar disso 👇