Tika, 72 horas de puro prazer

Música #dubrasil

em 18 de setembro de 2020

Dia desses estava fazendo uma busca em nosso banco de dados (enquanto uma playlist tocava aleatoriamente músicas de artistas brasileiros), quando começou tocar a canção “Acabou não acabou”, faixa de ‘Unwritable’, primeiro álbum da cantora Tika. A pegada elegante, a voz macia e uma letra condizente com o momento foram a faísca inicial para esse nosso encontro. 

Tika é nome artístico de Marina Casonato, cantora e compositora nascida no interior de São Paulo. Começou cantando no coral da escola, formou-se em música pela Universidade Federal de São Carlos e estudou canto popular no Conservatório de Tatuí, até mudar-se para São Paulo, onde deu início a sua carreira solo. Estreou em grande estilo: em 2017 lançou e assinou a produção musical do primeiro álbum autoral pelo selo YBmusic. Têm algumas composições próprias, outras em parceria com nomes importantes da cena musical brasileira como Romulo Fróes, Otto, Rodrigo Campos, entre outros.

Tika (Marina Casonato)

Em 2019 Tika lançou o EP “Nós”, também pela YBmusic, produzido por Rodrigo Coelho. Esse álbum foi resultado de uma turnê solo, apenas com voz e guitarra, que percorreu Brasil e Portugal.

Estamos em 2020 em meio a pandemia e, para nossa sorte, a produção cultural tupiniquim segue a todo vapor. Tika está produzindo seu segundo álbum solo, com arranjos de violão e guitarra, e parcerias com Kika, Otto e Alice Coutinho. Essa semana lançou nas plataformas digitais o single “72 horas”, uma parceria com Solo Valencia, cantor colombiano de pop alternativo. Com três álbuns gravados, a música de Solo tem raízes na bossa nova e no bolero. Reggae, indie e experimentações retrô-futuristas fazem parte dos estudos musicais do cantor, resultando em uma sonoridade autêntica.  

Desse duo nasceu “72 horas”, uma música pop latina contemporânea com elementos eletroacústicos. A canção celebra a intensidade de um encontro inesperado e breve, na duração do tempo, mas com grande reverberação emocional. Uma brincadeira dançante e sensual que levanta a bandeira do envolvimento. 

A LABO Plural Singular fez uma nano entrevista com a cantora e compositora Tika para saber sobre essa parceria, sobre “72 horas”, e para mostrar um pouco mais dessa riqueza que é a produção cultural brasileira. Só vem! 

Labo Falar sobre encontros inesperados, em tempos de distanciamento social, é para provocar ou refletir? 

Tika Acho que existe, sim, uma provocação na música em relação a sensação física de um encontro, do toque, da dança, do calor do corpo junto de outro corpo. É um tema sensível nesse momento de distanciamento social. Pra mim, só o calor da lembrança de um encontro já é uma coisa bonita que essa música pode alcançar. A capa do single sugere um flerte virtual, ou seja, reflete também sobre as atuais possibilidades de viver um encontro.

Labo Como aconteceu essa parceria com o cantor colombiano Solo Valencia e qual foi o processo de criação de “72 horas”, para chegar a essa sonoridade que representa igualmente vocês dois? 

Tika A parceria com Solo Valencia aconteceu através do Pipo Pegoraro, que é um produtor musical de São Paulo. Pipo contribui com a minha carreira desde o meu primeiro EP em 2014, é um grande parceiro, e conheceu Solo em uma viagem pra Medelín, Colombia. Solo tinha o desejo de fazer uma parceria com uma cantora brasileira e Pipo sugeriu meu nome. “72 horas” é uma canção minha que já estava pronta, enviei ao Solo e ele escreveu duas estrofes em espanhol. Nós gravamos praticamente tudo durante esse momento de pandemia, ou seja, cada um na sua casa. Gravei minha voz e minha guitarra em casa, mesma coisa Solo, e Pipo assumiu 100% dessa produção musical. A gente achou incrível o trabalho do Pipo em “72 horas”, que mesclou os elementos mais orgânicos da canção como as cordas e os vocais com os synths e beats eletrônicos, e que representou um lado pop meu e de Solo, algo em comum no nosso trabalho. 

Labo Além do single, que está sendo lançado hoje, temos a produção do segundo álbum em andamento. Quais são teus planos dentro desse cenário que estamos vivendo? 

Tika Meu plano é trabalhar com um núcleo pequeno de pessoas, pra respeitar o distanciamento social, e também conseguir dar continuidade nos projetos. Estou compondo, gravando e me apresentando em lives sempre com a mesma turma, que é Junio Barreto, Otto, Rovilson Pascoal, Kika, Meno Del Picchia. Também estou gravando colaborações de casa, sem encontrar ninguém, isso é uma boa possibilidade. Vai rolar um clipe de “72 horas”, que foi feito num esquema totalmente simples, caseiro, com um iphone, editado todo no celular mesmo, na vertical, e quero aproveitar pra deixar um grande agradecimento a todos os envolvidos nesse trabalho: Solo Valencia, Pipo Pegoraro, Guilherme Mendonça, Rodrigo Funai Costa, YBmusic, Hayge Mercurio, Diogo Gomes, Eduardo Valença, LABO, muitos beijos e muito obrigada! <3 

Você também vai gostar disso 👇